domingo, 21 de maio de 2017

Pérvia


O amor de uma dama
Impregnado pela meia noite
Meia taça de vinho, meia estrofe
O atalho para o sacrifício.

O Viril que só enxerga seu terceiro braço
Não fita a formosura das curvas singelas
Sem apontar, sem degustar;
Não escuta seus versos
Nem experimenta sua dor
Anseia logo pelo torso cru
Para cima ou para baixo
Cama, parede ou laço.

Há exceção
Alguns reconhecem o cerne
Assimilam que a casa está aberta
Mas não para visitação
Meramente, quiçá

Uma conversa do portão.  

Nenhum comentário: