quinta-feira, 12 de maio de 2016

Gato Preto


Sua espada cravada 
Bem em minha costela
E o sangue por mais terrível, parece tão belo
Jogado na calçada e minhas vestes ensanguentadas
A única coisa que vejo é o olhar do gato preto
Em vigília guarda meu corpo e leva a minha alma
As moedas para o barqueiro estão postas
Ele jamais chegará, pois afundou em lágrimas
Lágrimas dos mortos que tanto gritam por socorro
Um socorro que jamais chegará, nem para mim, nem para os outros.

Nenhum comentário: