sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Sussuro

Ajude-me agora
Preciso de um sorriso
Para trazer-me a memória
Disseram-me uma vez, aquela história
A dor sempre passa quando o tempo passar
A gente finge acreditar, passa e disfarça
O coração não é o grande culpado
E sim a palavra dia em vão
Somos sadomasoquistas quando se falar amor
Olhe distante, igreja, altar, separação o que há?
Na escuridão que cultivamos nossa solidão
Com medo de dizer, com medo de ouvir o não
Beijo do selamento, corpos que se chocam
Calor que atrai e une o que não deve
Essa atração monstruosa que nos deixa em chamas
E foi na cama que a palavra a primeira vez surgiu
Sussurrada bem baixinho no ouvido, arrepio
O te amo que lá dentro de nós já deságua
As cartas já estão todas marcadas
E de manhã foi embora, nunca mais vai voltar
Fica somente a lembrança da palavra e seu olhar.

Nenhum comentário: