terça-feira, 23 de abril de 2013

Dama Sombria


É simples entender uma dor quando não se a sente
Fechando os olhos para a realidade, a morte.

Dama sombria
Velando noite e dia
A carne quente que fica fria
Com seu véu ela cobre,
Doce morte
Levando a alma, que desgraça
Mais uma vida sem sorte
Que parte junto à morte


(pra sei lá onde).

Nenhum comentário: