terça-feira, 6 de novembro de 2012

Pesadelos

Milhares de sonhos escondidos por entre grades
Em baixo das pedras migalhas de um coração
Escuto entre sussurros várias lamentações
E as esperanças de rezas incompreendidas...

Não se pode olhar para o espelho
Uma alma está quebrada e se despedaçando
Preso dentro de um quarto escuro
veja o muro caindo em cima de nós.

Meus braços estão caindo
Sou parte de algo costurado
Não a nada que se possa fazer
Tudo está se despedaçando
Caindo no infinito de algum lugar
Não tem nada para se concordar
Basta ver as estrelas caindo.

Eu vejo e me esqueço
Eu caio aos pedaços
Eu retorno e me arrependo

Não ligo para as vozes, que pesadelo...


Nenhum comentário: