terça-feira, 29 de maio de 2012

Alguém de verdade

Não sou algo de verdade
Eu nem mesmo consigo ser
Não tenho nenhuma vaidade
E porque eu deveria de ter

Meu sangue mancha a mídia
Ao som de ”Ashes To Ashes”
E como me sinto triste sendo ninguém
Arranco o que deveria ser uma face
Colocando a face de alguém

Se não sou de verdade que mascare alguém
Que quebrem os espelhos e levem ao cemitério
Corto-me e me enterro mesmo sendo ninguém

Pelo menos no tumulo está o nome de alguém.

Nenhum comentário: