domingo, 22 de abril de 2012

Paranóia


Pílulas de paranóia um sonho interminável
Material usado são uma pele descolada e um molde sujo
Ferida aberta está  sangrando na prisão de órgãos
Morte em seringa deixando a imagem embaralhada
Existência imaginativa de uma tempestade ai em cima
Janelas abertas e a chuva de vírus caem sem aviso
Uma respiração tóxica está sugando meus pedaços

Minhas memórias viram pedaços de vidro contaminados.

Nenhum comentário: