quarta-feira, 11 de abril de 2012

Ódio


Sinto algo se movendo dentro de mim
Algo que me faz sentir o gosto bom de sangue
Dor que eu sentia agora não passa de passatempo

O espelho mostra a imagem que não sou
Meus olhos parecem ter sido arrancados
Pois tudo que enxergo são corpos mortos

A cada passo que dou eu caiu
Dentro de um mundo de faz de conta
Mas dentro de mim posso saber se é bom ou ruim

Quando se acostuma a não chorar
E ver os humanos algo que um dia você foi
Você ignora sua própria tolerância

Que venha a dor e o ódio
Pois não odeio a dor
E a dor não faz eu odiar
O choro é apenas um lago
Onde os olhos tentam enxergar

Os sonhos que morreram com o tempo
Se afundaram ou se enterraram
Talvez eu fuja para não ser
Mas sou tão odiado como qualquer um

Olhe minha face
Sou tão nada quanto todos
Eu sou de carne osso
Por isso deixo o sangue escorrer.

Nenhum comentário: