domingo, 12 de fevereiro de 2012

Seguirei

Céu cinza desbotado

Logo de manhã eu não teria notado

Mas hoje acordei cedo demais

Como se eu previsse alguma coisa há mais

Sinto meus dedos congelando sem um por que

Dentro de mim algo que realmente não sei

Prefiro esquecer e nem sentir a dor que sentirei

Sinto que espinhos já estão me cortando mais fundo

Uma ilusão que permanece dentro de minha mente

Verdadeiras mentiras que vejo serem contadas sem nem saber

Ficando cada vez mais longe que nem mesmo medirei

Meus quilômetros já viraram milhas vou desaparecer

Uma estrada que não leva a nada, mas mesmo assim seguirei

Não me agarrarei a nada, pois nada virarei

Dentro de uma caixa vou apodrecer.

Nenhum comentário: