segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Tubo

Porque tudo que cerca o meu caminho

Não passa de várias mentiras em tubos

Sou injetada com tranquilizantes que não tranquilizam

Só me fazem esquecer-se da vaga lembrança de mim mesmo

Não posso acordar, pois eu não estou dormindo

Não posso sonhar, pois se não os pesadelos iram me dominar

Queria estar bem longe daqui mesmo que fosse para fritar no sol

Estar bem longe quem sabe na lua aonde nada ninguém vai me incomodar

Estou vivendo, mas não sei realmente o que eu estou fazendo

Escrevendo coisas que não quero escrever,minhas palavras parecem tão cruas

Vindas de um lugar que eu não quero e na porta não está escrito bem-vinda

Mas pode haver uma chance se eu gritar bem alto as correntes quebraram

Pois tudo aquilo que foi preso pode um dia se libertar e as mentiras desapareceram.

Nenhum comentário: