domingo, 18 de dezembro de 2011

imaginário

Olhe para o fundo dos meus olhos e diga as palavras mais cruéis

enquanto começo a desaparecer pois o que você sempre enxergou foi um amigo

mas o tempo foi passando para você para mim

sua mente cresceu e você me escondeu nem mesmo me reconheceu

e agora desapareço da sua memória o seu amigo imaginário que fui

mas não mais agora.

Nenhum comentário: