sexta-feira, 8 de abril de 2011

60

Ouvindo milhares de sons nas épocas
eu mesmo sou do 60, da liberdade e do poema
eles correram no campo aberto e não levaram tiros
amaram tanto eu vejo que além da guerra se ouve risos

Sou uma garota inconsequente
uma pequena semente a germinar
sou o caos da liberdade e nostalgia
sou da paz e amor e alegria
da musica com o som mais lindo de melancolia

sou dos 69 da putaria e sacanagem
e quanto mais doce o vinho velha é a safra
na me faça viver nesse tempo tão sem graça
vou só até os 80 e mais que isso minha desgraça

chore se quiser no tempo que ninguém se importa
feche as janelas e não se esqueça de trancar a porta
é do 60 até 80 mesmo com as poucas palavras
cante com sua voz rouca sua platéia tá lotada
seu violão com aquele acorde que todo mundo gosta
mas não esqueça a liberdade é quem toca

Não me censure o tempo censura tudo por sí só.

Nenhum comentário: