sábado, 25 de dezembro de 2010

De pequenas a grandes

Os dias vão passando sem nada pra me oferecer
talvez seja falta de uma coisa básica
olhar e observar coisas dramáticas

Eu posso pensar que nada vai me procurar
mas quem procura por algo sou eu
e no entanto pareço não querer nada

as noites parecem tão mais longas vistas do espaço
no entanto meu coração pareça frio e congelado
como aquele dia que se espera tanto em uma insônia interminável

Você mesmo não se acredita
com as vozes que dizem a você
muitas coisas são ditas sem querer

você insiste em medir tamanho de tudo
no entanto não sabe o como é grande as coisas mais pequenas
de longe tudo vai diminuindo, mas aquela luz não para de me seguir

Eu lembro de tudo que já quis
parece grande mais não desisti
e no entanto sou guiada sem querer
por um lugar que não paro de insistir

Mas as coisas pequenas são sempre feitas para existirem
as vezes até a mais grandes coisas podem ser insignificantes
e as pequenas coisas levam vantagem daquilo que deixamos para traz
enquanto pedimos esmola e comemos lixo eles estão sobre nós sem correr nenhum risco.

Nenhum comentário: