segunda-feira, 23 de agosto de 2010

janelas da morte

As janelas estão trancadas e não há ar
Não vejo nada nem o luar
Enquanto o mundo caminha
Pareço não saber o meu lugar
Permaneço trancada sobre minha voz a gritar

Quando se está no inferno
Não há porque sorrir
Nem porque chorar
Quando se está morto
O que resta é sofrer

Eu posso cantar
Ninguém irá ouvir
Eu posso até amar
Ninguém vai sentir
Nem mesmo meus sonhos irão se realizar

Quando algo lhe envolve em uma grande tempestade
Quando algo lhe afoga e você não consegue nadar
Quando a morte chega e lhe mata
A única coisa a se fazer é esperar
Para morrer e sofrer eternamente

A vida pode ser ruim
Mas a morte é bem pior que nos livros
O que não se sabe é como e quando saberemos isso.

Nenhum comentário: