sexta-feira, 12 de março de 2010

Meu erro

Eu tanto errei
E você disse que quem erra mais de uma vez está errado
Mas eu não tenho culpa se erro sempre no final
Circunstâncias e lutas dependem de cada um de nós
Se o fogo arde queima sem nem se importar
A água apaga tudo que restar

Já andei sobre os destroços
E ate mesmo meus ossos
Já morri muitas vezes
E continuo a retornar
Isso só vai acabar
Quando nada mais restar...

Eu acerto quando é fácil
Mesmo que às vezes seja difícil
A estupidez me cerca
Meu sangue ultrapassar fronteiras
Tudo que sei... O que aprendi
Só fica marcando com as sombras
Vida doce e insegura me leve embora
Ensine-me de uma surra
Antes que eu mate a mim mesma
As velhas histórias, meu passado e minha memória.

Um comentário:

Andy Freitas disse...

Cada vez eu gosto mais de ler suas poesias...