segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Inúteis

Todos desligados
Sem cabo sem a luz forte
Deitados mimados como Reis
Assustados quando não há o que fazer
Ignorados quando não sabem ao menos o saber

Não lixam suas inúteis vidas
Nem marcam hora estão sempre a fora
Num sonho anestesiado de mentiras
Não aguento mais essa hipocrisia

Suas lágrimas queimam o que chamo de mundo
Pragas de uma era sempre voltam
Seu efeito é rápido e mortal
Não venha com historias e nem me leve a mal
Inúteis nunca se importam com o final.

Nenhum comentário: