domingo, 14 de fevereiro de 2010

Formigueiro

Deus é o ser maior
E eu na terra molhada
A desenrolar vários nós
Concertando minhas mancadas

Sou apenas uma formiga
Desse grande formigueiro
O mundo inteiro
Não enxerga que estamos em vários ciclos
Virtudes e vícios

Fazer e sonhar
Eu não quero só querer
Quero mais é conquistar
O que tenho a esperar?
Amanha meu sonho se apagou...

Sim eu tenho medo
Mais minha vontade é grande
Meu equilíbrio é liberdade
A verdadeira nostalgia está na melodia
Em Raul, Renato e Cazuza
Nos velhos palcos nas ruas

Quero viver e venerar
O que se perdeu
Meus heróis, meus olhares
Meu sentimento
Estou vivendo neste tempo
O tempo que na queria
Mais assim foi a deles
A minha e tua vida

Somos parte desta colônia
Dos lideres a rainha
Somos formigas boêmias
Nessa parte solitária
Poetas loucos exagerados
Nessa nova era sempre com velhas laias.

Um comentário:

Andy Freitas disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.