domingo, 13 de dezembro de 2009

viva

Não se pode guarda o medo
Não se pode esconder um valioso segredo
A vida passa e ninguém se guarda
A garganta que berra e se desgasta
Quem pode resistir ao amor
Se ele é irresistível
E se você está sozinho e nada vê
Conhece seu próprio coração
Sabe que não pode continuar assim
Tão longe de você mesmo e distante de mim
Morrendo em um despertar de um enterro
Não vejo o céu azul, à neblina me persegue
Sonhe não deixe de despertar para vida
Não morra sem ter vivido
Corte a solidão em pedaços sem importância
Onde ninguém pode se quer pensar em descansar
Eu não me desculpo pelas besteiras
Eu não sou de falar tanta baboseira
Viva e corra para o arco-íris
Viva e não deixe a alegria morrer
Viva enquanto um mundo chora a sofrer
Viva, pois só quem vive vai um dia morrer.

Nenhum comentário: