terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Talvez

Talvez por enganar a mim mesma
Eu não saiba o que é sentir
O amor e as turbulências de uma vida desgastante
E muito antes de tudo sonhar, dormir e acorda
E a cada dia desejar mais e mais

Talvez eu não seja a única
Mais várias vezes eu já humilhei a mim mesma
Joguei milhões de cartas e todas caíram viradas
Por favor, não diga que tudo muda quando se deseja
Pois a mentira esta escrita, eu não vejo mais tem quem vê
Não jogue minhas historias e fantasias
Talvez seja isso que irrita meu ser

Talvez pela minha infância de laços roídos
Tanta angustia pelas coisas que vão me machucando de pouco em pouco
Eu já tentei e consegui domar a mim mesma

Talvez eu seja assim mesmo uma pessoa sem uma verdadeira historia
Sem final onde o talvez seja a única explicação pra se viver
Não atropele meu coração, pois o talvez venha junto com o vento
Talvez as coisas mudem sobre toda essa confusão

Mais talvez a paixão possa ser amor
O ódio um desejo escondido pelas chaves de uma vida
Talvez tudo seja um talvez na descontente manhã que nos guia
Pelos moinhos que não sopram vento
Por uma simples idéia que o talvez um dia chegue
Sem rodas, sem turbinas venha sobre sua vida
Sonhe antes de despertar isso que deve se esperar
Para quem sabe um dia o talvez possa chegar.

Nenhum comentário: