terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Amor queima

O que eu posso fazer
Se as noites quentes não aquecem meu coração
Eu vejo você de longe
E me escondo como uma covarde com verdadeiros planos

E o que sinto agora
Se não sou a única que chora
Ao ver que a sinfonia não se encaixa
E que na verdade uma flor se desabrocha

Eu grito e o papel nada escreve
Quem sabe o vento leve
Pelo mar pelas terras
E acabe ate o fogo queimar

E na poesia soprada de agonia
Sobre o amor que existia sem pressão
Em um livre juramento sobre uma paixão
Pois só escrevo seu nome branco em um papel marrom

Quem sabe eu mostre meu coração duro
Rocha morta sem futuro
O amor é capaz de queimar o impossível
E arder sobre o coração mais destruído
O amor é quente e muitas vezes cego
sonho com você mais nunca mais nego.

Nenhum comentário: