sábado, 21 de novembro de 2009

Terra descoberta

Como velhos em barcos
Colônias montadas
Não sabia de tudo nem de nada
Esquecia o sentido
Mais mesmo assim concordava

Assim como uma língua que não entendia
Sem sábios e nem deuses
Seu bem preciso é o trabalho
Onde suas mãos sangram de ódio
E arrancam pequenos pedaços

Correntes,
Um mundo que descobriu tornou-se bem pior
Suas marcas de emprestar a falsa flor
Empata o jogo mais não ameniza a dor

Um escravo sem lei
Vendido fiado
Sem nenhuma culpa
A faísca o derruba
Feito pedregulho
Esmagando seu sentimento
Matando sua doce alma

Melhor seria não descobrir
Pois toda terra é feita para ser feliz.

Nenhum comentário: