domingo, 22 de novembro de 2009

Onda

O que há
Meus olhos não enxergam o outro lado
A vida não é um quadro
Tem gente que apenas espera um abraço

Não se doa vida mais talvez compaixão
Somos todos loucos de necessidades
Derivados de separação em linhas

Grampearam milhares que absurdo!
Se a quem dói não sente
É falta de oração
A necessidade excita por exclusão

Espero pela onda que venham me derruba
Leve, leve tudo embora às dores e as flores,
Se desabar quem sabe as placas segurem
A necessidade que escorre como cachoeira

Eu sonho, durmo e acordo
A necessidade abusa e derruba
Todos têm ninguém esquece
Há quem não quer e há quem merece.

Nenhum comentário: