sábado, 7 de novembro de 2009

O poeta do meu destino

Meu destino está nas mãos de um velho poeta
A desgraça está de boca aberta
Parece medo mais é uma perfeição sem medidas
O poeta a escrever melodia
Um conjunto de mentiras.

As lágrimas que tanto me fazem
O poeta escreve sem ligação
Sonhos que tanto sonhei
Ele escreve por maldade.

Poeta que me omites
Comprime-me
E imprime.

Poeta caçador de palavras
Mentiras em tiras viradas
A dor me castiga
Poeta que sofre e mendiga.

Escreve o final
Destrói meu carnaval
Poeta que me mata
Mais não sabe muito de nada.

Nenhum comentário: