segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Falsa morada

Sem ter aonde ir
Sentada em uma cadeira
Você me prende como um imã maldito
Às vezes pode ser besteira
Eu olho no retrovisor vejo a maldade
Parece mentira ate mesmo encontrar
Mais as folhas secas caem sempre no mesmo lugar.

Me deixa com tédio e me contrata
Sou nada você ninguém
somos iguais mais nada me distrai

Enquanto o vermelho me persegue
Parece inútil mais ninguém percebe
Prendida e esquecida em uma cidade fantasma
Sei que você não vale quase nada.

Me pego der repente com a porta fechada
Parece mentira eu ando fixada
Sou presa, sou amarrada
Parece cadeia essa tal de morada.

Se me prendes e me tortura
Sou um imã você metal
Somos opostos, mas você não me atrai.

Suturas e agulhas
Parece mentira ou apenas uma figura
São histórias antigas todas lembradas
Enquanto me tinhas eu não sabia de nada.

Você é um metal enferrujado
E eu sempre fui ouro,nada me prendia
A Cadeira era nada e a porta estava apenas escancarada
Adeus a essa falsa morada.

Se me prendes e me tortura
Sou e sempre serei sua
nada me convence.

Nenhum comentário: