terça-feira, 24 de novembro de 2009

Como é

Como é ser o ódio
Sentir a cólera o seguindo
Esmagar a medida perdida em um labirinto
Tristeza sem risos
Poucos ainda são meninos

Como é ser a droga
Posicionada em uma agulha
Liquida em sua veia nua
Sua destruição está nas ruas

Como é ser o preconceito
Com raiva do mundo
Desimportante em vários segundos
Armada sem verdades
Sua mentira é vaidade

Como é acabar com o ruim
Separando o pecado
E nem tudo que está sobre a realidade
É ofensivo e sem nenhuma dignidade
Pois a dor intensifica com o tempo
Os perversos não voam com o vento.

Nenhum comentário: