quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Como Brida

Quero um mar de alegria
Brincar feito Brida que se fazia
Saber o que é fantasia
Sofrer como Brida sofria.

Acariciar monte de pelos sobre o selo de ingratidão
Sobre imaginação de não saber nada
Dormir como Brida dormia
E sonhar com a alegria.

Voar pelos montes em busca de fontes sangrentas
Assim como Brida ser tão lenta
Agradecer pelo sol e pela destruição
Viver com vontade sem obrigação.

Correr na areia, brincar com peneira
Como dói meu coração
Viver como Brida viveu o que será de mim então?
Se Brida não vives mais e já morreu.

Nenhum comentário: