quinta-feira, 8 de outubro de 2009

vale do terror

Se o misterioso vale me acolhe eu não sobrevivo
o cavalheiro solitário se fere nas sombras
e os canibais a beira do lago descansam
a execução que o mundo não sabe
mais sabe faz parte da vida
recupere o fôlego um passo para ganhar
eu não quero dizer quem eu sou
distante do humano que a mim castigou
não ouso mais palavras sujas
escondo minha alma
ela esta enterrada.

Não finja
hoje não estou invisível
por um minuto de prazer se diz que é para sempre
você quer viver se diz que a faca corta seu coração
"você não é o único"
esqueça o terror reina nas minhas veias
mentira você diz mais encare os fatos
você foi o que nunca será por um minuto
desista e me diga esta na hora de partir
se o deserto não me engole
os escorpiões me matam
seu veneno se manifesta
morre e apodrece como veio ao mundo.

Nenhum comentário: