segunda-feira, 12 de outubro de 2009

olhos fechados

Se eu não posso acreditar em mim mesmo
Porque vou continuar a existir?
Meu coração já lhe emprestei
Não quero estar em um momento frustrante
Jure que estará sempre em minha prateleira
Pois esse intangível quarto onde estou posso ver com meus olhos fechados.

Uma hora tive um lapso
Esqueci da miséria
Voltei a outro destino
Com mais astúcia não me perdi sozinho.

Já tentei dizer varias vezes
Minha perda de memória é instantânea
Você seu meliante pensado que esqueci
Roubou-me e depois a cegas atirou.

Começando a manear de um lado para o outro
Não se pode escapar da vida
Vivemos e pagamos aqui
Não estamos longe do inferno
Posso ver isso quando olho com coragem
Chega de tentar fechar os olhos e ver a magia
Minha tolerância acabou
E mais uma vez você paga com as próprias a veias.

Um comentário:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.